Cresce em 70% o número de imigrantes brasileiros em Israel

Aliá
Tipo y tamaño de letra

Em 2014, o número de brasileiros que migraram para Israel apresentou crescimento significativo, com a chegada de 356 brasileiros, contra 209 em 2013. Ainda não há previsão para o resultado de 2015.

Em 2014, o número de brasileiros que migraram para Israel apresentou crescimento significativo, com a chegada de 356 brasileiros, contra 209 em 2013. Ainda não há previsão para o resultado de 2015. "No entanto, se compararmos com o início de 2014, já se verifica um aumento de 38% em relação ao mesmo período do ano passado: de janeiro a meados de abril desse ano, recebemos 158 brasileiros", informou à Folha o Ministério de Absorção de Imigrantes de Israel. Eles se somaram aos cerca de 12 mil que já vivem no país. O Brasil está acompanhando a tendência de crescimento da imigração a Israel. Segundo dados da Agência Judaica, o país experimentou em 2014 o recorde dos últimos anos, com a integração de 26,5 mil novos cidadãos.

O número foi impulsionado por 7.000 franceses, que fogem de um panorama de ascensão do antissemitismo em seu país, e 5.800 ucranianos, desesperançados com o conflito com a Rússia. Raanana, a segunda cidade mais procurada pelos brasileiros em 2014 (veja quadro), foi a opção da família Gabbay, proveniente de Belém: Rebeca (28), Samuel (35) e seus quatro filhos emigraram em dezembro. Abandonaram a segurança do apartamento próprio e seus empregos para deixar para trás a violência urbana e buscar qualidade de vida. "Cansei-me do clima de insegurança e busquei uma vida com mais liberdade e identidade judaica, o que só é possível aqui." O casal em breve iniciará o procedimento de validação de seus diplomas. Processo longo e burocrático, é uma batalha que, eles sabem, não será fácil. A busca de uma posição no mercado de trabalho é um ponto sensível e dificultado pela língua. "É possível 'virar-se' em inglês, mas aprender o hebraico é fundamental para a integração", afirma Michel Abadi, presidente da Olei Brasil, ONG que apoia imigrantes brasileiros após sua chegada. Criada em 2013, a Olei conta com hoje com 120 voluntários que oferecem apoio emocional e prático em processos como matrícula escolar e busca por moradia. "Com isso, ameniza-se o impacto da chegada", diz Abadi. Não há estatísticas sobre desistentes que retornam ao Brasil, mas acredita-se em uma taxa em torno de 10%. "O imigrante precisa ser flexível e paciente. No caso do brasileiro em Israel, há um grande choque: eles deixam de conviver com a cultura serviçal do 'pois não' para lidar com um povo pragmático que sempre lutou pela sobrevivência", comenta a psicóloga Rita Cohen Wolf. Em constante contato com novos imigrantes, ela acredita que o aumento da imigração brasileira se deva à desesperança frente à crise política e econômica no Brasil

Michel acrescenta um outro aspecto. "Há um despertar da identidade judaica, aliado à melhoria da imagem de Israel. Antes visto como um país difícil e sempre em guerra, hoje ele está se internacionalizando, principalmente por seu destaque no mundo tecnológico." Segundo o Ministério da Absorção, não está sendo desenvolvida no Brasil nenhuma campanha de incentivo à imigração. Se por um lado há quem seja vencido pelas dificuldades, por outro há quem navegue em mares tranquilos.

Daniel Ring (32) chegou a Tel Aviv em 2010 sem pretensões de se estabelecer. No entanto, sua carreira como músico deslanchou, ele fundou uma start-up produtora de shows e inaugurou um bar em Yafo, onde serve pratos brasileiros como pão de queijo e caldo de cana. Ele destaca a natureza do país, formado por imigrantes, como um facilitador da adaptação. "Aqui há gente do mundo inteiro e Israel trata bem o imigrante. Além disso, é bom ser brasileiro aqui: israelenses adoram o Brasil", comenta. Daniel contou com a ajuda da incubadora da ONG Gvachim, cuja missão é estimular a empregabilidade. "Sem network, os imigrantes tem dificuldade para encontrar uma nova posição no mercado. Nosso papel é ajudar a mão de obra qualificada a firmar raízes em Israel antes que se frustre e retorne ao país de origem", afirma a CEO do Gvachim, Gali Shahar. Segundo ela, o mercado israelense é ávido por profissionais com experiência internacional e domínio de línguas estrangeiras. "Estamos aqui para fazer esse elo de ligação".

A educadora paulistana Sônia Cebukin Gomberg (44) também não encontrou dificuldades em sua adaptação em Raanana. Ela e o marido deixaram seus empregos, casa própria e imigraram com os dois filhos em agosto de 2014. "Viemos em busca de qualidade de vida", resume Sônia, que não conseguia dormir toda vez que a filha saía de casa com os amigos em São Paulo. "Aqui, temos a insegurança da guerra, mas ela é pontual. Em São Paulo, convive-se com o medo 24 horas por dia".

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/05/1631383-cresce-em-70-o-numero-de-imigrantes-brasileiros-em-israel.shtml